Área Reservada:
 
melhor informação, mais saúde
Pesquisar
 
 
 
Reforma da Saúde Pública
Programa Nacional de Vacinação
Centros de Referência
ZIKA
Dashboard da Saúde
Vigilância de Mortalidade
GeoSaúde
Sinave
Portal da Estatística da Saúde
Revista da DGS
Sistema de Informação dos Certificados de Óbito
 
Acreditação de Unidades de Saúde
 
Linha Saúde 24
 
Livro de Reclamações
 
Sistema Nacional de Notificação de Incidentes
 
Plano Nacional Saúde
 
Violência contra Profissionais de Saúde
 
Consentimento informado, esclarecido e livre dado por escrito
 
Cartão da Pessoa com Doença Rara (CPDR)
 
 
Programa Nacional de Vacinação
 
Programa Nacional de Vacinação
 

Apresentação

As doenças infeciosas são causadas por microrganismos que têm a vantagem de se reproduzirem e evoluírem muito mais rapidamente que os seus hospedeiros humanos, podendo por em perigo a vida do Homo sapiens” (Peter Parham in The imune system). 

“O engenho, o conhecimento e a organização alteram mas não anulam a invasão dos seres humanos por formas de vida parasitas. As doenças infeciosas que antecederam a emergência da espécie humana… permanecerão sempre como um dos parâmetros e determinantes da história da humanidade” (William H. McNeill in Plagues and People).

Para contrariar esta vulnerabilidade dos seres humanos aos microrganismos foram-se desenvolvendo ao longo dos séculos tentativas de minimizar o seu impacte na saúde. Foi assim que surgiu, em 1796, oficialmente, a primeira vacina contra a varíola, apesar de o conceito de “vacinação” já ter sido operacionalizado anteriormente, (de forma empírica), pelo menos desde 1774.

A vacinação como forma de proteger o ser humano contra determinadas doenças tem, portanto, uma “história curta quando comparada com séculos durante os quais o ser humano lutou desesperadamente para se ver livre de várias pragas e pestilências…” (Stanley Plotkin in Vaccines).

As vacinas “descobertas” há mais de duzentos anos, com destaque para o desenvolvimento verificado no século XX, consistem na inoculação deliberada de microrganismos causadores da doença (ou partes destes), modificados por forma a perderem a virulência mas com capacidade de induzir imunidade com segurança para o hospedeiro. 

Ou seja, aquelas inoculações (vacinas) imunizam / protegem as pessoas vacinadas contra doenças específicas (por exemplo a vacina contra a poliomielite é constituída pelos 3 vírus polio e imuniza os indivíduos por forma a que estes não contraiam poliomielite quando expostos aos vírus polio). 

Além da proteção individual, a maioria das vacinas tem ainda a capacidade de, a partir de determinadas taxas de cobertura vacinal, interromper a circulação dos microrganismos entre pessoas originando aquilo a que se chama “imunidade de grupo”. Este benefício para a sociedade é claramente uma mais-valia da vacinação em massa.

Conforme as suas características e a epidemiologia das doenças numa determinada zona ou país, as vacinas podem integrar os programas de vacinação nacionais (com esquemas adaptados à realidade de cada país ou região), podem ser aplicadas mediante indicação médica, numa base individual, podem ser utilizadas para determinados grupos de risco ou em circunstâncias especiais, como as viagens ou durante um surto. 

Organizações internacionais como a OMS, o ECDC (European Centre for Disease Prevention and Control) ou o CDC (Centers for Disease Control and Prevention), instituições da maioria dos Estados em todo o Mundo, Organizações não Governamentais, Sociedades Científicas e cidadãos recomendam, promovem e implementam a vacinação como forma de obter ganhos em saúde assinaláveis. Aliás, quando uma nova doença infeciosa emerge, o primeiro desejo dos povos é que seja descoberta uma vacina que anule a ameaça e livre os povos do medo do contágio, tão presente no passado.

Graças às vacinas, milhares de vidas foram salvas e milhares de crianças em todo o mundo tiveram a oportunidade de viver mais saudáveis e felizes, crescendo, aprendendo e brincando sem o medo e sem as consequências de contrair doenças debilitantes, incapacitantes e mesmo letais (adaptado de discurso de Nelson Mandela). 

As vacinas melhoram a saúde e o bem-estar dos povos, contribuem para a eficiência e sustentabilidade dos serviços de saúde e são um fator de desenvolvimento. Foi uma vacina que permitiu, pela única vez na história da humanidade, a erradicação de uma doença - a varíola, uma doença grave, extinta em 1980. 

As ameaças de bioterrorismo e a resistência à vacinação são, entre outros, desafios para os quais devemos estar preparados, defendendo a vacinação como um bem universal. A par da água potável, a vacinação é a mais potente das medidas de prevenção de doenças e de promoção da saúde.

MGF, 17/08/2015

 

 
 


 
República Portguesa - Saúde
© 2011 Direção-Geral da Saúde | Alameda D. Afonso Henriques, 45 - 1049-005 Lisboa - Portugal | Tel: 21 843 05 00 | Fax: 21 843 05 30 | E-mail: geral@dgs.pt