SNS
DGS

Medidas perante um caso

Os Delegados de Saúde poderão ter conhecimento de um caso por DDO (diretamente), por notificação laboratorial (através da DGS), por notificação do EWGLINET e, a partir de 2010, do ELDSNet (através da DGS), ou ainda por outras fontes.

Ao ter conhecimento de um caso, o Delegado de Saúde dará imediatamente início ao respetivo Inquérito Epidemiológico, que é iniciado pelo estudo epidemiológico do caso, seguido de um estudo ambiental das possíveis fontes de infeção.

Atuação perante um caso
 
Os Delegados de Saúde poderão ter conhecimento de um caso por DDO (diretamente), por notificação laboratorial (através da DGS), por notificação do EWGLINET e, a partir de 2010, do ELDSNet (através da DGS), ou ainda por outras fontes.

Ao ter conhecimento de um caso, o Delegado de Saúde dará imediatamente início ao respetivo Inquérito Epidemiológico, que é iniciado pelo estudo epidemiológico do caso, seguido de um estudo ambiental das possíveis fontes de infeção.

A informação epidemiológica crucial para a investigação epidemiológica inclui:

  1. Identificação de outras pessoas, relacionadas com o doente, com sintomas semelhantes (portanto possivelmente expostas à mesma fonte de infeção que o doente e por isso casos possíveis).
  2. Identificação de exposição a potenciais riscos ambientais, nas duas semanas anteriores ao início da doença, tais como viagens, hospitais, fontes ornamentais, hidromassagens, torres de arrefecimento de sistemas de condicionamento de ar, etc.
  3. Movimentos diários do doente - lugares por onde passou nas duas semanas que antecederam a manifestação da doença, tendo por objetivo identificar possíveis fontes de infeção.
  4. Identificação de outros casos verificados anteriormente (num período de 2 anos) e associados à ou às mesmas possíveis fontes de infeção identificadas (caso isolado ou cluster?).

Após o levantamento da informação epidemiológica segue-se o Estudo Ambiental das possíveis fontes de infeção que inclui:

  1. Inspeção sanitária dos edifícios, instalações, sistemas e equipamentos identificados no estudo epidemiológico do caso;
  2. Colheita de amostras de água,  para análise laboratorial;
  3. Pesquisa e identificação de Legionella spp.;
  4. Tipificação das estirpes encontradas na água e comparação com as isoladas nos doentes;
  5. Implementação de medidas de prevenção de novos casos.