Programa Nacional
para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares

Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares
 

 

O que posso fazer para evitar doenças do coração e aparelho circulatório?

Alguns dos fatores de risco para doenças cardiovasculares, não podem ser alvo de intervenção, como é o caso dos fatores hereditários e história familiar. Contudo uma parte significativa pode ser controlada através de algumas medidas das quais salientamos:

  • Vigiar regularmente a tensão arterial e controlar a hipertensão arterial, se esta for detetada. 
  • Não fumar
  • Reduzir os níveis de colesterol caso estejam elevados
  • Evitar o sedentarismo mantendo uma atividade física regular
  • Ter um peso adequado
  • Ter uma dieta saudável e equilibrada
  • Controlar a glicemia caso tenha diabetes.

Quais são os sintomas que devem levar à suspeita de um enfarte de miocárdio (“ataque cardíaco”)?

O enfarte do miocárdio é uma urgência cardiológica, potencialmente fatal, provocada pela obstrução de uma das artérias do coração (artérias coronárias) e que habitualmente se manifesta pelos seguintes sintomas:

  • Dor torácica  ou sensação de aperto, com grande intensidade e duração superior a 30 minutos; nalguns casos essa dor é também sentida no braço esquerdo, pescoço, maxilar e mesmo no estômago.
  • Sensação de mal estar geral com sudação
  • Náuseas.

E o que devo fazer nessa circunstância?

  • O mais importante é de imediato contactar o INEM – 112 e descrever a sintomatologia
  • Os serviços de emergência pré-hospitalar têm capacidade para confirmar no local onde se encontra o diagnóstico, efetuar eletrocardiograma e realizar o transporte em segurança para a unidade hospitalar com condições para realizar o tratamento mais adequado, que por vezes não é a mais próxima do local de residência. O intervalo de tempo que medeia entre o início da sintomatologia e o tratamento é determinante para o seu sucesso.
  • Enquanto aguarda a chegada da equipa de emergência pode tomar um comprimido de Aspirina 100 ou 250 mg.

Como é feito o tratamento do enfarte?

  • O tratamento mais eficaz consiste na desobstrução da artéria coronária responsável, através de angioplastia primária realizada nos Laboratórios de Hemodinâmica dos Serviços de Cardiologia, com capacidade de funcionamento a qualquer hora de qualquer dia. Existe atualmente uma cobertura em todo o país, garantindo que mais de 90% dos enfartes são tratados desta forma.
  • Numa minoria de casos em alternativa à angioplastia são administrados medicamentos com capacidade de dissolver o trombo responsável pela obstrução da artéria, designados por fármacos fibrinolíticos.

O que é a Via Verde Coronária?

  • Consiste no encaminhamento organizado e pré-definido das situações de enfarte do miocárdio identificadas fora do Hospital pelo INEM, diretamente para os locais mais adequados ao tratamento (Laboratórios de Hemodinâmica com capacidade de realizar angioplastia primária) que não são necessariamente os mais próximos geograficamente do local da ocorrência.
  • Este transporte deve ser o mais rápido possível evitando perdas de tempo, resultantes, por exemplo, da passagem por serviços de urgência não especializados.


Quais são os sintomas que devem levar à suspeita de um acidente vascular cerebral (“trombose cerebral”)?

Um acidente vascular cerebral é uma situação clínica potencialmente fatal que resulta mais frequentemente da obstrução por um trombo de uma das artérias responsável pela irrigação do cérebro. Nalguns casos pode também corresponder a uma hemorragia intracraniana (AVC hemorrágico).

Deve ser suspeitado quando ocorre:

  • Perda súbita de força num membro (braço ou perna);
  • Perturbação súbita da fala (ou da compreensão das palavras);
  • Instalação súbita de “boca ao lado” (paralisia facial).


E o que devo fazer nessa circunstância?

  • O mais importante, tal como no enfarte do miocárdio, é de imediato contactar o INEM – 112 e descrever a sintomatologia;
  • Os serviços de emergência pré-hospitalar têm capacidade para confirmar no local onde se encontra o diagnóstico, e realizar o transporte em segurança para a unidade hospitalar com condições para realizar o tratamento mais adequado, que por vezes não é a mais próxima do local de residência. O intervalo de tempo que medeia entre o início da sintomatologia e o tratamento é fundamental para o seu sucesso;
  • O tratamento adequado é realizado preferencialmente em unidades hospitalares especializadas: “Unidades de AVC” que dispõem de capacidade de realização permanente de TAC.

Como é feito o tratamento do AVC?

  • Quando é possível tratar situações com pouco tempo de evolução, dentro da chamada “janela terapêutica” existe a possibilidade de reversão da maioria ou da totalidade das manifestações do AVC;
  • Isso implica um rápido encaminhamento para os centros com capacidade de realização permanente de TAC e a administração de fármacos que dissolvam os trombos ou a sua extração por meios mecânicos (terapêutica endovascular).