Serviço Nacional de Saúde | 40 Anos | 1979-2019
Direção-Geral da Saúde

Relatórios e Publicações

Competências profissionais no âmbito da prevenção e do tratamento do tabagismo no final da formação pré-graduada dos profissionais de saúde

Competências profissionais no âmbito da prevenção e do tratamento do tabagismo no

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dando cumprimento a um dos eixos estratégicos do Programa Nacional de Prevenção e Controlo do Tabagismo (PNPCT), da Direção-Geral da Saúde, direcionado para a melhoria da formação profissional, da investigação e do conhecimento, o PNPCT encomendou um estudo de avaliação da aquisição de competências profissionais no âmbito da prevenção e controlo do tabagismo no final da formação pré-graduada dos profissionais de saúde, nos cursos de Ciências Farmacêuticas, Enfermagem, Medicina e Medicina Dentária.

O presente relatório é o resultado deste estudo, realizado por uma equipa alargada de investigadores, coordenada pelo Prof. Doutor Jorge Bonito da Universidade de Évora. Nele constam os resultados encontrados e um conjunto de recomendações para a formação pré-graduada dos profissionais de saúde no âmbito da prevenção e tratamento do tabagismo. Das principais conclusões destacam-se:

  • Uma prevalência média de alunos fumadores de 18,4%;
  • A influência dos amigos ou colegas fumadores como principal motivo para se ter começado a fumar;
  • A presença de atitudes positivas relativamente ao controlo do tabaco;
  • Apenas cerca de um terço dos alunos referiu sentir-se bem ou muito bem preparado para intervir em matéria de prevenção e tratamento do tabagismo;
  • A existência de associação entre a perceção sobre a formação recebida (teórica e prática) e a autoperceção sobre as competências para intervir no domínio da prevenção e tratamento do tabagismo;
  • A necessidade de introdução de um conjunto de temas teóricos e práticos na formação académica destes profissionais, percecionados como omissos, que suportem o seu pensamento e as suas decisões neste domínio;
  • A necessidade de aumentar o número de horas dedicado à formação nesta área, que em média, e segundo a perceção dos alunos, não foi além das 2,9 horas ao longo dos respetivos cursos.

 

Pode consultar o:

  • Sumário executivo do Relatório aqui
  • Relatório final aqui