SNS
DGS

Núcleos de Supervisão Técnica

Núcleos de Supervisão Técnica

Constituídos por profissionais das várias áreas de intervenção do MSSS, MS, ME com formação e reconhecida experiência na área da IPI

A atividade dos NST desenvolve-se de acordo com os Planos de Ação das Subcomissões de Coordenação Regionais (SCR) assumindo-se enquanto estruturas de apoio quer às SCR, quer às ELI.

Funções genéricas de apoio às Subcomissões de Coordenação Regionais (SCR)

  • Apoiar a SCR na articulação direta com as entidades locais responsáveis pelos profissionais afetos às ELI (ACES, Agrupamentos de Escolas e Instituições com protocolos com o ISS);
  • Planear, organizar e avaliar o funcionamento das ELI em articulação com a SCR;
  • Proceder à recolha e atualização contínua da informação disponível nas ELI e ao levantamento das necessidades na sua área de Intervenção;
  • Identificar, em cada Distrito, personalidades das áreas científica e académica com formação e reconhecida experiencia na área da IPI, que possam colaborar com os NST;
  • Apoiar a formação e a investigação no âmbito da IPI em estreita colaboração com a SCR.

Funções específicas de apoio às Equipas Locais de Intervenção (ELI) e à comunidade

  • Análise e verificação da aplicação dos critérios de elegibilidade de crianças referenciadas para as ELI;
  • Análise e monitorização da aplicabilidade dos conceitos de vigilância e de encaminhamento das situações referenciadas para outros serviços;
  • Suporte e acompanhamento técnico ao trabalho desenvolvido pelas ELI, nomeadamente no que se refere à monitorização da construção e organização dos Processos Individuais das Crianças abrangidas, bem como à avaliação das medidas e ações previstas no PIIP, promovendo a sua readequação, sempre que os progressos se manifestem insuficientes;
  • Apoiar e acompanhar a capacitação dos profissionais das ELI, face ao modelo conceptual, o qual que se traduz num modelo de intervenção centrado na família e na comunidade, baseado nas preocupações e forças da família e no reforço das suas competências,
  • Apoiar as ELI na adoção de um modelo de funcioamento transdisciplinar, promovendo uma dinâmica de partilha de saberes teóricos e teórico-práticos entre os vários profissionais;
  • Apoiar as ELI na articulação com as diferentes entidades com competência em matéria de infância e juventude, no sentido de definir procedimentos e circuitos de sinalização,
  • Promover com as ELI o diagnóstico de necessidades e de recursos da comunidade, por forma a dinamizar redes de suporte formais e informais.